Resenha #5 – O Condenado (Odd Man Out, 1947)

 Após assistir a “O Condenado”, a pergunta que fica é “por que este filme não foi alçado à condição de clássico absoluto?”  Sim, porque temos aqui um verdadeiro filmaço, quase obrigatório. E por que digo isso?  Impressionante fotografia em P&B (de autoria de Robert Krasker, o mesmo dos clássicos “Desencanto” e “O Terceiro Homem”), a qual praticamente se transforma numa personagem do filme, que, por tratar de um homem fugitivo, se aproveita enormemente das sombras; personagens interessantíssimos (tanto o protagonista Johnny McQueen, quanto os demais); direção magistral, de um inspirado Sir Carol Reed, no primeiro filme em que ele foi também produtor. Foi o primeiro de seus grandes filmes, seguido por “O Ídolo Caído” e o respeitadíssimo “O Terceiro Homem”.

 

James Mason está excelente como Johnny McQueen, o líder rebelde irlandês que, após fugir da cadeia, comanda um assalto para levantar fundos para sua organização. Mas as coisas não correm tão bem, e Johnny, abandonado na fuga, é obrigado a se esgueirar pelos becos de uma enevoada Belfast, caçado pela polícia e alvo de aproveitadores atrás de recompensa.  O próprio Mason declarou, anos mais tarde, que esta havia sido a melhor atuação de sua carreira.

 

A atuação de Mason, entretanto, acaba não dominando o filme, já que a história acaba sendo centrada mais nos demais personagens, que têm contato com ele durante sua fuga.  E aí temos um verdadeiro show de atores ingleses meio desconhecidos (exceção a Robert Newton), todos competentíssimos, com destaque para um tal de F. J. McCormick, simplesmente sensacional.
A direção de Carol Reed chama atenção, especialmente pelos seus ângulos incomuns, marca registrada que se tornaria clássica em “O Terceiro Homem”.  Mas arrisco dizer que “O Condenado” chega a ser um filme melhor do que “O Terceiro Homem”, o qual talvez tenha ficado bem mais famoso pela marcante “presença ausente” de Orson Welles.

 

Incrível como este filme – ganhador do BAFTA como melhor filme inglês daquele ano – foi meio que desprezado pela Academia, recebendo apenas uma indicação ao Oscar (montagem). Certamente caberiam indicações de filme, diretor e ator.

 

Foi “cometida” uma refilmagem em 1969 (The Lost Man), mudando o cenário da Irlanda para o submundo negro americano e com Sidney Poitier no papel principal.

por Alexandre Cataldo

Anúncios

5 comentários sobre “Resenha #5 – O Condenado (Odd Man Out, 1947)

  1. É um filme realmente muito bom, fiquei surpreendido principalmente por ser um filme do carol reed, que fez aquela porcaria chamada oliver, o tom de fatalismo do filme é incrível remetendo ao film noir, não sei se este aqui é considerado um film noir, acho que um filme esquecido , e deveria ser mais lembrado.

    Curtir

  2. Que bom que gostou, Vinicius!
    Quanto a “Oliver!”, concordo que é um musical meio “mala”. Mas discordo quanto ao Carol Reed. Não que eu o ache um diretor de primeiro escalão… mas fez alguns filmes muito bons, como este aqui, “O Ídolo Caído” e, claro, “O Terceiro Homem”.

    Curtir

    • Sim, O terceiro homem é um dos meus filmes favoritos, já o Ídolo caído eu não vi, talvez Carol Reed não seja assim um diretor tão conhecido pelo publico.

      Curtir

Deixe aqui sua opinião sobre isso!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s