Resenha #26 – Pecado Sem Mácula (Side Street, 1950)

Um dos principais “chavões” da temática dos film noir é mostrar personagens afáveis, mas que por um pequeno lapso moral, enfrentam um verdadeiro purgatório, em geral sendo obrigados a lidar com o submundo. Em “Pecado sem Mácula”, o mote é muito bem utilizado, com o carteiro Joe Norson (Farley Granger) desviando-se do bom caminho ao roubar uma maleta que julgava conter alguns poucos dólares, com o objetivo de custear o parto de sua mulher (Cathy O’Donnell, novamente contracenando com Farley Granger, um ano após “Amarga Esperança”, de Nicholas Ray). Claro que teria que dar errado! Claro que a maleta teria que conter algumas dezenas de milhares de dólares! Claro que seria dinheiro sujo! E claro que Norson passa o resto do filme tendo que lidar com a culpa, com o arrependimento e, pior de tudo, com o fato de se tornar o principal suspeito de um crime. Farley Granger, com seu inafastável ar de “rapaz atordoado”, cai como uma luva no papel de Norson.

 

A direção de Anthony Mann, que assina aqui o seu último filme noir, gênero em que foi competentíssimo, podendo-se citar, dentre outros, “Railroaded!”, “Moeda Falsa”, “O Demônio da Noite” (do qual dirigiu apenas um a parte) e “Mercado Humano”. São todos filmes extremamente consistentes, com ótimo estilo narrativo e visual. Bem verdade que, em vários deles, boa parte do mérito visual deve-se ao diretor de fotografia John Alton. Neste filme, porém, não é Alton que assina a fotografia, mas o também prestigiado Joseph Ruttenberg, várias vezes indicado ao Oscar e vencedor por quatro vezes. E, verdade seja dita, a fotografia é talvez o principal atrativo do filme. Poucas vezes vi a Nova Iorque dos anos 40 tão bem mostrada como neste filme. Há várias cenas que poderiam entrar para um lista das melhores dos film noir, como a de Joe Norson, já procurado pela polícia e pelos gangsters, entrando às escondidas no hospital para ver a esposa após o parto. Ou ainda as duas cenas, dentre elas a seqüência final, que se passam dentro de um táxi.

 

por Alexandre Cataldo

4 comentários sobre “Resenha #26 – Pecado Sem Mácula (Side Street, 1950)

  1. Bom filme, não gostei muito do final, da atriz que faz a mulher do protagonista achei muito exagerado a atuação dela, mas tirando isto é um filme que merece ser visto. A cada filme que vejo do Anthony Man que vejo percebo que ele é um grande diretor.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Escolha difícil… Westerns como Winchester’ 73, O Sangue semeou a Terra, O preço de um Homem são muito bons… Mas film noir como Raw Deal, T-Men são muito bons, principalmente por causa da participação do John Alton na fotografia… He walked by Night é outro filme noir muito bom… Tudo da linha “B”…

    Curtir

Deixe aqui sua opinião sobre isso!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s