Resenha #64 – Uma Vida Marcada (Cry of the City)

A história contada nesse filme parece bastante conhecida por todos nós.  Dois amigos de infância, que cresceram juntos em vizinhança pobre, de imigrantes italianos, tomam rumos diferentes:  um envereda pelo mau caminho do crime; o outro vira policial. Apesar disso, “Uma Vida Marcada” é um bom filme, que pode ser assistido sem medo.  Até porque o diretor Robert Siodmak tem boas credenciais quando se trata de filme noir, haja vista “Os Assassinos”, “Baixeza” e “Silêncio nas Trevas”.

 

Até Victor Mature, um ator frequentemente citado na lista dos mais “canastrões”, está bem no papel do policial Candella. O outro protagonista, Richard Conte, bastante conhecido dos fãs de filme noir (“Uma Aventura na Noite”, “Mercado de Ladrões” e “O Império do Crime”), tem a sua costumeira atuação enérgica e contida.

Neste filme, temos um pequeno papel de Shelley Winters, ainda em início de carreira.  Ela viria a receber dois Oscar de Atriz Coadjuvante em sua carreira.

 

Na realidade, trata-se de uma nova versão de “Manhattan Melodrama”, um filme de 1934, com Clark Gable e William Powell, filme que chegou a ganhar o Oscar de História Original naquele ano.  Detalhe:  foi na saída do cinema, após assistir a esse “Manhattan Melodrama”, que o gangster John Dillinger foi morto a tiros pela polícia de Chicago.

O título existe em DVD no Brasil, lançado pela distribuidora Oregon.

por Alexandre Cataldo

Deixe aqui sua opinião sobre isso!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s