PODCAST: Episódio #60 – Os Filmes de F. W. Murnau

Clique com o botão direito e salve este episódio.

Fred e Alexandre viajam até a Alemanha no Episódio 60 para tratar da obra de Fredrich Wilhelm Murnau, um dos grandes expoentes do cinema mundial, nome fundamental do expressionismo alemão e um dos maiores diretores do cinema mudo.  F. W. Murnau – como era mais conhecido – fez clássicos como “Nosferatu – Uma Sinfonia do Horror” (Nosferatu, eine Symphonie des Grauens, 1922), “A Última Gargalhada” (Der letzte Mann, 1924), “Fausto” (Faust: Eine deutsche Volkssage, 1926) e “Tabu” (Tabu: A Story of the South Seas, 1931), todos estes tratados neste episódio. É dele também um dos filmes mais importantes do cinema mudo americano, “Aurora” (Sunrise: A Song of Two Humans, 1927) película esta que já foi tema do Podcast Filmes Clássicos no episódio 31 e que portanto fica de fora deste áudio sobre a carreira e vida de Murnau.

Trilha Sonora: Diversas músicas compostas para os filmes comentados neste episódio.
Duração: Aprox. 1 h e 54 min.

Acesse esta galeria para ver algumas imagens que ilustram coisas comentadas neste episódio. Clique nas fotos da galeria para ver as descrições.


 VÍDEOS QUE COMPLEMENTAM ESTE EPISÓDIO

Documentário sobre o filme “Nosferatu”.

A brilhante cena do sonho do porteiro em “A Última Gargalhada”.

A cena de aparição de Mephisto em “Fausto”.

Trailer original de “Tabu”.


Anúncios

4 comentários sobre “PODCAST: Episódio #60 – Os Filmes de F. W. Murnau

  1. Murnau fora um grande gênio do Expressionismo Alemão e claro ele fez grandes obras na fase hollywoodiana.
    Cheguei a ver um filme que falava sobre os bastidores de Nosferatu e como vi o próprio Nosferatu.Vi uma obra desafiadora e quando a viúva de Bram Stoker viu que a adaptação foi feita sem seu consentimento mandou queimar tudo.Ainda bem que hoje em dia dá pra ter acesso a esse clássico.Última Gargalhada é um retrato sobre o descaso do trabalho de um porteiro aposentado sendo substituído e no qual ele ama o trabalho que faz.
    Tartufo é baseado numa peça de Moliére,no qual o neto de um rico usa o filme sobre ele para desmascarar uma governanta gananciosa.
    Pão nosso de cada dia é um retrato sobre um jovem do campo que casa com uma jovem da cidade e a leva para morar com ele.
    Aurora foi o início da fase hollywoodiana.
    Fausto que fala sobre o jovem ambicioso.
    Enfim Murnau era uma excelente artista.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe aqui sua opinião sobre isso!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s