PODCAST: Episódio #100 – Uma Celebração (Episódio Especial)

Clique com o botão direito e salve este episódio.

Chegamos ao centésimo episódio e resolvemos celebrar de uma forma diferente! Os “Quatro Cavaleiros da Sétima Arte” (rs), Alexandre, Fred, Marcelo e Sergio se reúnem para receber doze ouvintes do Podcast Filmes Clássicos, que trouxerem os mais variados temas de livre  escolha. O resultado foi um episódio divertido que comemora nossos 4 anos de existência e cem episódios publicados, num total de cerca de 156 horas de material sobre os clássicos do cinema. Você é o nosso convidado nessa festa da sétima arte! 

 

 

Trilha Sonora: Música “Comin’ Home Baby”, composta por Quincy Jones. “Celebration”, performada por Kool & The Gang.

 

 Duração: Aprox. 2 hrs.
Anúncios

4 comentários sobre “PODCAST: Episódio #100 – Uma Celebração (Episódio Especial)

  1. Quero dar os meus parabéns ao Podcast Filmes Clássicos pelos 4 anos de existência.
    É o único que eu ouço os brilhantes e inteligentes comentários de pessoas entendidas em cinema.
    Seria muito bom falar sobre cinema com alguns entendidos incluindo Alexandre e Fred.
    Com o William eu já falo sobre cinema.
    Sabe gente as pessoas nos consideram malucos por gostar de clássicos e eu sei o que é passar por isso.
    Claro que eu vejo filmes atuais,mas sou bem criterioso com o que assisto e mesmo assim dou preferência à clássicos, cults e estrangeiros.
    Fiz do cinema a minha escola.
    E muito obrigado por citarem meu nome no Podcast,sendo assim considero meu presente de Natal.
    Parabéns ao PFC e que venham mais.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Parabéns pelo centésimo episódio e muito obrigado pelo empenho! O trabalho de curadoria é o farol que nos orienta nesse oceano de filmes, e vocês o fazem com excelência. Com relação aos serviços de streaming, no início do ano o crítico Pablo Villaça se deu ao trabalho de analisar os 4 mil títulos oferecidos pela Netflix Brasil e encontrou apenas 69 produções anteriores a 1985 – refletindo a mesma pobreza encontrada nos 6 mil títulos da matriz americana. O acervo de 10 mil títulos da recém-fechada Blockbuster de Anchorange tinha mais clássicos! Discordo que espaço de armazenamento seja um problema pois 12 discos rígidos Samsung de 30 Terabytes já seriam suficientes para armazenar TODOS os quase 500 mil longa metragens produzidos desde 1874 (segundo o IMDB). E boa parte do acervo clássico já se encontra em domínio público, sendo que o pagamento de licenças é exatamente o motivo da rotatividade de títulos nos serviços de streaming. Uma vez que nem espaço em disco nem licenciamento são problemas, a única explicação que encontro para a ausência de clássicos nesses catálogos é má vontade, mesmo. Uma decisão corporativa deliberada de ignorar a “cauda longa” (nicho de mercado) composta por cinéfilos espalhados geograficamente.

    Curtido por 1 pessoa

    • Olá! Primeiramente, obrigado pelos parabéns! O trabalho é árduo mesmo. Interessante suas considerações sobre o serviço de streaming. Deu uma boa luz ao caso. Também não compro essa ideia da limitação de espaço, basta ver o saco sem fundo que é o YouTube. E com a rotatividade do catálogo, esse problema fica ainda menor. Acho que é uma questão comercial, principalmente no Brasil onde a pirataria é mais tolerada e a demanda pelos clássicos parece menor. Infelizmente, já não temos o apoio dos grandes players, como era o caso da Globo na década de 80, 90.

      Curtir

Deixe aqui sua opinião sobre isso!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s