PODCAST: Episódio #133 – Os Bons Companheiros

Clique com o botão direito e salve este episódio.

Alexandre, Fred e Sergio convidam o professor Hugo Harris para tratar de algo inédito no Podcast Filmes Clássicos: pela primeira vez nos concentramos em um filme do genial Martin Scorsese.  “Os Bons Companheiros” (Goodfellas, 1990) completa em 2020, trinta anos de seu lançamento e continua uma obra espetacular, candidata sempre a figurar entre os melhores filmes do diretor Nova Yorkino. O “novo” clássico é também um dos mais importantes do subgênero de filmes de gangsters e uma das grandes películas produzidas nos anos 90.

Trilha Sonora: Trilhas utilizadas no filme em questão.
Duração: Aprox. 1 h e 40 min.

VÍDEOS QUE COMPLEMENTAM ESTE EPISÓDIO

Análise de nosso amigo Fábio Rockenbach (Canal “Cena a Cena”).

“Making Of” Goodfellas.

Reunião do Elenco, 25 anos depois.

“The Real Godfella”: Doc sobre o Henry Hill da vida real.


4 comentários sobre “PODCAST: Episódio #133 – Os Bons Companheiros

  1. Bons companheiros é um clássico moderno.
    Um filme que retrata como é a Máfia.
    Scorsese além de fazer filmes marcantes sabe também como escolher bem uma trilha sonora igualmente marcante.
    Creio que esse seja o segundo filme dos anos 90 abordado o anterior foi Um Sonho de liberdade.
    De qualquer forma o filme abordado é um dos top do Scorsese.
    Naquela época ele era o favorito do Oscar mas perdeu para Kevin Costner.
    O filme também era o favorito e perdeu para Dança com Lobos.
    Os dois são ótimos mas eu tenho certeza que Bons companheiros era o que mais merecia.
    Me lembrei que o Scorsese foi citado no episódio 100 à respeito de uma possibilidade de ser abordado foi em Dezembro de 2018.
    De toda forma o episódio foi muito bem abordado.

    Curtir

  2. Funny Guys,

    Martin Scorsese é um dos poucos diretores que eu já zerei a filmografia, e ele possui algo que pra mim ele só compartilha com o Kubrick: São os dois únicos cineastas cujos filmes sempre vão crescendo nas minhas revisões, nunca decrescem, mesmo os mais fracos dele.

    E compartilho da opinião do Fred e do Sérgio e coloco “Os Bons Companheiros” como o meu favorito do cineasta.

    Uma coisa curiosa sobre a filmografia do Scorsese é perceber como ele foi crescendo na hierarquia da máfia a medida que seus filmes avançam. “Caminhos Perigosos” são os bandidos mais pé-de-chinelo, os que comercializam diretamente a droga, “Os Bons Companheiros” os caras já são ‘capos’, já estão um pouco mais por cima. Em “Cassino” são gerentes de seus próprios estabelecimentos. Até chegar em “O Irlandês” quando ele retrata o pico da máfia, os caras mais poderosos. É interessante fazer essa reflexão.

    E para mim a maior diferença entre “Os Bons Companheiros” e “O Poderoso Chefão” é que em ambos há o tal ‘código de conduta’ entre criminosos, mas enquanto Coppola glamoriza e romantiza isso, transforma isso quase numa espécie de filosofia; o Scorsese desconstrói essa suposta ‘ética’, mostrando que os personagens na vida real são bem menos ‘honrados’ que os mostrados na trilogia ‘The Godfather’. É uma máfia mais suja, o respeito ao ‘código’ é bem mais maleável.

    Quanto a discussão se a personagem da Lorraine Bracco ia rodar naquela cena, a minha interpretação é que… ‘SIM, IA’. A propósito, como mencionaram no podcast, o motivo pelo qual Henry é aconselhado a não se divorciar da mulher para mim tem menos a ver com manter as tradições familiares, e mais a ver com a ideia de que uma mulher magoada querendo ferrar com o marido ia meter a língua nos dentes e falar mais do que devia. Era uma questão de ‘contenção de danos’ os mafiosos manterem suas esposas felizes huauhahuahua.

    Sobre a escalação do Ray Liotta ela não só não me incomoda, como eu acho que todos os filmes do Scorsese possuem casts muito acertados. Parece que ele escolhe os atores que ele quer trabalhar a dedo, já considerando as limitações daquele ator, e faz a mágica acontecer justamente porque sabe o que ele pode extrair dali. E isso pra mim ainda é mais evidente com as atrizes (da maioria das atrizes que trabalharam nos principais filmes do Scorsese, as melhores atuações que tiveram em suas carreiras, invariavelmente, são as dos filmes dele – as exceções mais evidentes seriam Jodie Foster e Ellen Burstyn, mas o que que Cathy Moriarty e Cybill Shepherd fizeram de relevante depois de Touro Indomável e Taxi Driver???). E mesmo sobre a citação do Nicolas Cage como um dos cotados, vale lembrar que ele chegou a fazer um filme com o Scorsese depois que é o drama “Vivendo no Limite”. Um estudo de personagem meio ao estilo ‘Taxi Driver’ só que sobre um socorrista noturno que dirige ambulância, e o Cage tá bem no filme.

    Realmente, Scorsese participou da produção do Woodstock, mas não dirigiu. Entretanto, ele dirigiu os documentários sobre rock “The Last Waltz” (sobre a “The Band”), dois documentários sobre o Bob Dylan, um sobre o Rolling Stones, e um sobre o ‘George Harrison’ que, por tabela, acaba sendo sobre os Beatles (e que não à toa é meu favorito). Sobre a Thelma Schoonmaker, não sei se vocês conhecem uma lenda que corre, de que um dia perguntaram para ela numa entrevista como que ela se sentia – sendo mulher – de montar os filmes tão masculinos e violentos do Scorsese. Ao que ela teria respondido:

    “-Bom…. eles não eram tão violentos até EU tê-los montado.”

    Huhahuauhauaha… Que MULHER!

    Para finalizar, deixo vocês compartilhando que o meu sonho é um dia chegar num restaurante com a minha garota do mesmo jeito que o Henry chega no Copacabana com a Karen.

    Abraços, vou ficar no aguardo para quando sair os episódios de Taxi Driver e Touro Indomável.

    P.S.: Além do facebook, twitter, youtube, e claro, do próprio podcast, outra mídia que vocês podiam usar era formar um grupo no whatsapp para cinéfilos como nós… digamos… mais refinados. Que tal?

    Curtir

  3. Discordo de vocês que Ray Liotta não fez nada de bom depois de Bons Companheiros. Ele fez os bons Corina – Uma Babá Perfeita (1994), Cop Land (1997), O Lugar Onde Tudo Termina (2012), O Homem da Máfia (2012). Mas o seu melhor trabalho da carreira é Narc (2002) e sua atuação acho superior que Bons Companheiros.

    Curtir

Deixe aqui sua opinião sobre isso!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s