PODCAST: Episódio #127 – Os Filmes de Federico Fellini – Parte Final

Alexandre, Fred e o crítico Rafael Amaral (Blog “Palavras de Cinema”) se reúnem mais uma vez para fechar a filmografia de Federico Fellini, o grande diretor italiano que este ano completaria 100 anos de vida se estivesse vivo.  O episódio traz todas os filmes da segunda fase de Fellini e começamos a jornada dando destaque a “Julieta dos Espíritos” (Giulietta degli spiriti , 1965) tido por muitos como uma versão feminina de “Oito e Meio”. O áudio continua com um de seus filmes de maior sucesso de público e crítica, “Amarcord” (1973) e depois seguimos com “E La Nave Va” (1983), provavelmente seu último grande filme. 

PODCAST: Episódio #125 – Os Filmes de Federico Fellini – Parte 1

Alexandre, Fred e o crítico Rafael Amaral começam neste episódio a primeira parte da homenagem do PFC ao centenário de Federico Fellini, diretor dos mais influentes do cinema mundial, daqueles que virou adjetivo. Esta primeira parte de dois episódios chega para você neste dia 20 de janeiro, data em que Fellini completaria 100 anos se estivesse vivo, e neste áudio conversamos sobre a obra e vida do diretor, desde seu primeiro filme, passando com destaque por “A Estrada da Vida” (La Strada, 1954), “Noites de Cabíria” (Le notti di Cabiria, 1957) e fechando com “A Doce Vida” (La Dolce Vita, 1960).

PODCAST: Episódio #123 – Dicas Triplas do PFC #12

No último episódio de 2019, Alexandre, Fred e o músico Willian de Andrade trazem três presentes de natal para nossos ouvintes, pois é hora mais uma vez do Dicas Triplas do PFC. Começamos este bate papo nos Estados Unidos, com um dos grandes filmes de Ernst Lubitsch: “Ser ou Não Ser” (To Be Or Not To Be, 1942). Seguimos com um dos grandes clássicos do cinema brasileiro, o filme de Luiz Sérgio Person “São Paulo, Sociedade Anônima” (1965) e encerramos o ano na Itália, mais precisamente com Ettore Scola e um filme não muito lembrado em sua filmografia: “Nós Que Nos Amávamos Tanto” (C’eravamo tanto amati, 1974).

PODCAST: Episódio #117 – Dicas Triplas do PFC #11

Alexandre, Fred e o músico Willian de Andrade batem aquele papo sobre três filmes que consideram ótimas dicas para o cinéfilo de plantão. O episódio começa com o inesperado filme do egípcio Youssef Chahine, intitulado “Estação Central de Cairo” (Bab El Hadid, 1958), segue com o excelente filme de sequestro “Os Sicilianos” (Le clan des Siciliens, 1969), estrelado por Jean Gabin, Alain Delon e Lino Ventura e termina com um filme que se perde na ótima filmografia de Sidney Lumet, “Armadilha Mortal” (Deathtrap, 1982).  Os Spoilers guardamos para o fim do episódio.

PODCAST: Episódio #107 – Jean Renoir

Fred e Alexandre recebem o jornalista e blogger Rafael Amaral (Palavras de Cinema) para um animado bate-papo sobre um dos diretores franceses mais influentes de seu tempo. Renoir começou no cinema mudo e fez uma ótima passagem ao falado, quando lançou três de seus maiores filmes, abordados mais a fundo neste episódio: “A Grande Ilusão” (La Grande Illusion, 1937), “A Besta Humana” (La Bête Humaine, 1938) e “A Regra do Jogo” (La Règle du Jeu, 1939). 

PODCAST: Episódio #103 – Howard Hawks

Alexandre e Fred trazem nesse episódio uma análise sucinta da filmografia eclética de um dos mais versáteis diretores americanos: chegou a vez de Howard Hawks no PFC!  Hawks já teve três filmes debatidos em outros episódios de nosso podcast (“Scarface, Vergonha de uma Nação” e “Aventura na Martinica”/”À Beira do Abismo”) e neste episódio adentramos em filmes como a screwball  “Jejum de Amor” (His Girl Friday, 1940) e westerns como “Rio Vermelho” (Red River, 1948) e “Onde Começa o Inferno” (Rio Bravo, 1959), além de diversos outros filmes do diretor.

PODCAST: Episódio #98 – O Homem-Mosca

Fred e Alexandre escalam o mais alto dos prédios para encontrar a vlogger Nadja Mykaela (do Canal “Voltando aos Clássicos”) e juntos os três conversam sobre um dos maiores sucessos de bilheteria dos anos 20 nos Estados Unidos, o filme “O Homem-Môsca” (Safety Last!, 1923), protagonizado pelo chamado terceiro gênio da comédia, Harold Lloyd. Já fizemos Charles Chaplin em “Luzes da Cidade”, Buster Keaton em “A General” e agora chegou a vez de Harold Lloyd neste clássico da chamada Silent Era de Hollywood, fechando uma trilogia sobre os gênios da comédia americana.

PODCAST: Episódio #95 – A General

Alexandre e Fred convocam o podcaster Marcos Noriega (Masmorra Cine) para embarcar numa viagem de locomotiva para os tempos da guerra civil americana. O tom no entanto é de comédia, quando debatemos mais um excepcional filme, cultuado por cineastas como Orson Welles.  A obra-prima de Buster Keaton, “A General” (The General, 1926) chega soltando fumaça na estação do Podcast Filmes Clássicos, dando sequência – ainda este ano – numa trinca de grandes filmes que envolvem os chamados gênios da comédia muda. Realizado com um dos maiores orçamentos do período, esta fantástica comédia de Keaton não fez muito sucesso quando foi lançado, mas como sua locomotiva-título, ganhou momentum ao longo dos tempos para se tornar um dos mais celebrados filmes da era muda do cinema de Hollywood.

PODCAST: Episódio #94 – Os Filmes de David Lean – Parte 1

Fred e Alexandre convocam novamente o músico Willian de Andrade e o desafio agora é passar a limpo a filmografia completa do diretor britânico David Lean, um dos maiores realizadores do cinema britânico. Lean estreia com créditos de co-diretor no filme “Nosso Barco, Nossa Alma” (In Wich We Serve) e segue para fazer mais tarde três excelentes filmes em sequência: “Desencanto” (Brief Encounter, 1945), “Grandes Esperanças” (Great Expectations, 1946) e “Oliver Twist” (Oliver Twist, 1948). Nesta primeira parte de dois áudios cobrimos toda sua carreira até 1949.

PODCAST: Episódio #93 – Luzes da Cidade

Já era tempo! Sergio Gonçalves se junta a Fred e Alexandre para falar de um dos gênios incontestáveis do cinema mundial.  Pela primeira vez o Podcast Filmes Clássicos discute um filme de Charles Chaplin, e não qualquer longa, mas aquele que o próprio diretor considerava o seu favorito: “Luzes da Cidade” (City Lights).  Quando lançou oficialmente sua película, o evento ficou para a história como uma das maiores premières do período e o filme até hoje é celebrado como um clássico inesquecível e por muito tempo foi adorado por cineastas como Jean Renoir, Orson Welles, Woody Allen, Martin Scorses, Andrei Tarkovski e tantos outros.