PODCAST: Episódio #72 – O Gabinete do Dr. Caligari

Este é o episódio número 72 e nele Alexandre e Fred recebem de volta o podcaster Marcos Noriega (Masmorra Cine) para mais um bate-papo sobre um clássico germânico. Desta vez adentramos o mundo distorcido e hipnótico daquele que é considerado por muitos o primeiro filme de terror e a película seminal do Expressionismo Alemão na telona.  Com abordagem criativa em seus cenários e na estrutura de seu roteiro, “O Gabinete do Dr. Caligari” (Das Cabinet des Dr. Caligari, 1920) é um dos marcos do cinema mundial e possivelmente um dos filmes mais influentes da Sétima Arte.

Anúncios

PODCAST: Episódio #65 – M, O Vampiro de Dusseldorf

Chegamos ao episódio 65 do Podcast Filmes Clássicos e a dupla Fred/Alexandre entram no submundo do crime devidamente acompanhados do podcaster Marcos Noriega (direto do Masmorra Cine) para tentar prender um dos assassinos seriais mais famosos do cinema, Hans Beckert, mais conhecido como “M, O Vampiro de Dusseldorf” (M, 1931). O clássico de Fritz Lang é alvo do nosso podcast, que hoje chega para discutir o legado do longa para o cinema falado e suas influências no film noir, subgênero americano no qual o diretor alemão será uma das peças chave quando chega ao Estados Unidos fugindo da ascensão do nazismo em sua terra natal.

PODCAST: Episódio #60 – Os Filmes de F. W. Murnau

Fred e Alexandre viajam até a Alemanha no Episódio 60 para tratar da obra de Fredrich Wilhelm Murnau, um dos grandes expoentes do cinema mundial, nome fundamental do expressionismo alemão e um dos maiores diretores do cinema mudo. F. W. Murnau fez clássicos como “Nosferatu – Uma Sinfonia do Horror” (Nosferatu, eine Symphonie des Grauens, 1922), “A Última Gargalhada” (Der letzte Mann, 1924), “Fausto” (Faust: Eine deutsche Volkssage, 1926) e “Tabu” (Tabu: A Story of the South Seas, 1931), todos estes tratados neste episódio. É dele também um dos filmes mais importantes do cinema mudo americano, “Aurora” (Sunrise: A Song of Two Humans, 1927).

PODCAST: Episódio #31 – Aurora

Sergio, Alexandre e Fred debatem o que muitos consideram como um dos grandes filmes do cinema mudo, o clássico americano do diretor alemão F.W. Murnau, “Aurora”, de 1927. Realizado no final da era silenciosa do cinema, “Sunrise, A Song of Two Humans”, como se chamou em sua língua natal, é um perfeito exemplo de como os filmes estavam desenvolvidos em termos de linguagem cinematográfica às vésperas da grande virada tecnológica que mudaria para sempre a sétima arte: a invenção do cinema falado.