PODCAST: Episódio #116 – Os Filmes de John Ford – Parte 2

Alexandre, Fred e o crítico Rafael Amaral tem um encontro marcado no O.K. Corral para debater outros grandes filmes da carreira do americano John Ford. Diretor dos mais influentes de seu tempo, Ford seguiu nos anos 40 entregando grandes clássicos do calibre de “Como Era Verde o Meu Vale” (How Green Was My Valley, 1941) e depois da guerra voltou ao western para fazer um dos grandes expoentes do gênero, “Paixão dos Fortes” (My Darling Clementine, 1946), terminando a década com dois filmes estrelados por John Wayne: “Sangue de Heróis” (Fort Apache, 1948) e “Legião Invencível” (She Wore a Yellow Ribbon, 1949).

Anúncios

PODCAST: Episódio #113 – Os Filmes de John Ford – Parte 1

Fred e Alexandre partem para mais um desafio: tratar a obra de John Ford, talvez o diretor americano mais influente do cinema e para isso convocam o crítico do Blog “Palavras de Cinema”, Rafael Amaral.  Ford deixou um verdadeiro legado para a sétima arte, com grandes filmes como o seminal “O Cavalo de Ferro” (The Iron Horse, 1924), tratado mais a fundo neste áudio.  Clássicos como “O Delator” (The Informer, 1935), “A Mocidade de Lincoln” (Young Mr. Lincoln, 1939) e “As Vinhas da Ira”(Grapes of Wrath, 1940) também são abordados com mais carinho neste episódio, o primeiro de uma série de três.

PODCAST: Episódio #84 – No Tempo Das Diligências

Alexandre, Fred e Marcelo Rennó estão cruzando território hostil numa diligência e tentam não levar flechadas dos Apaches enquanto discutem sobre um dos filmes mais influentes do cinema hollywoodiano.  “No Tempo das Diligências” (Stagecoach, 1939), filme dirigido por John Ford, foi visto cerca de 40 vezes por Orson Welles antes deste fazer sua obra prima, “Cidadão Kane”. O longa foi fundamental para solidificar a carreira de John Ford e com um plano, o diretor lançou John Wayne ao estrelato em Hollywood no papel de Ringo Kid, um prisioneiro que foge da cadeia para vingar a morte de sua família.

Resenha #33 – Domínio de Bárbaros (The Fugitive, 1947)

É sabido que expectativa demais é um grande passo para a frustração.  Em relação aos filmes, é bastante comum criarmos grandes expectativas quanto a obras dos grandes diretores.  Vamos assistir a seus filmes esperando sempre que sejam excelentes.  Às vezes isso não acontece.  Perfeitamente normal, já que até Alfred Hitchcock tem pequenas manchas em seu…