LIVE (021) do PFC: Metalinguagem no Cinema

Áudio da “Live” número 021 em nosso canal no Youtube. O tema da vez foi a “Metalinguagem”, esse artifício de usar a arte para falar sobre si mesma. Nossos seis participantes trouxeram dez filmes cada um, compilando ao final uma lista de 60 dicas de filmes metalinguísticos para nossos espectadores.

PODCAST: Episódio #156 – Clint Eastwood

Alexandre e Fred trazem o professor da Universidade de Passo Fundo, Fábio Rockenbach, para debater a obra do ator/diretor/produtor Clint Eastwood, o primeiro cineasta ainda na ativa a figurar em um de nossos episódios mini-biográficos.  Pra falar sobre o eterno Dirty Harry, escolhemos três filmes dirigidos por Clint. Vamos conversar sobre “O Estranho Sem Nome” (High Plains Drifter, 1973), “Os Imperdoáveis” (Unforgiven, 1992) e “As Pontes de Madison” (The Bridges of Madison County, 1995)?

PODCAST: Episódio #155 – Paris, Texas

Tem mais filmaço no seu feed de áudio sobre filmes clássicos! Alexandre, Fred e o músico Willian de Andrade comemoram o aniversário de Wim Wenders celebrando um de seus melhores filmes, o tocante “Paris, Texas” (Paris, Texas, 1984). Wenders nasceu em 14 de agosto de 1945 em Düsseldorf na Alemanha, mas foi para o Estados Unidos filmar este clássico inesquecível com roteiro de Sam Shepard e atuações brilhantes de Harry Dean Stanton e Nastassja Kinski. O longa foi vencedor da Palma de Ouro em Cannes, indicado para o Globo de Ouro de filme estrangeiro e Wenders saiu vencedor do Bafta de melhor direção no Reino Unido.

LIVE (019) do PFC: Direção de Fotografia

Áudio da “Live” número 019 em nosso canal no Youtube. Debatemos alguns dos incríveis trabalhos de uma das profissões mais importantes dentro da indústria do cinema, aquela dos diretores de fotografia. Não esqueça de ver a live no youtube pois como esperado, está foi uma “live” muito visual!

PODCAST: Episódio #154 – Os Filmes de Orson Welles – Parte Final

Alexandre e Fred recebem novamente o crítico Rafael Amaral (Blog “Palavras de Cinema”) para dar sequência no papo sobre uma das carreiras mais conturbadas e brilhantes da história do cinema. Nesta última parte da série de dois episódios sobre a vida e obra de Orson Welles, falamos principalmente de “Grilhões do Passado” (Mr. Arkadin, 1955), “O Processo” (Le procès, 1962), “Falstaff, o Toque da Meia Noite” (Campanadas a medianoche, 1965) e o último filme que Orson Welles concluiu ainda vivo, “Verdades e Mentiras” (F For Fake, 1973), uma espécie de “ensaio cinematográfico”.

PODCAST: Episódio #153 – Dicas Triplas do PFC #18

Voltamos com mais uma trinca de produções cinematográficas: é o “Dicas Triplas do PFC #18”, na ocasião, Fred e Alexandre recebem o cinéfilo Marcelo Rennó para mais um bate-papo sobre cinema, desta vez com três filmes bastantes desconhecidos, o longa americano de Sam Wood, “Nossa Cidade” (Our Town, 1940), o britânico do subestimado Anthony Asquith, “Nunca Te Amei” (The Browning Version, 1951) e o brasileiríssimo filme de Roberto Farias, “Selva Trágica” de 1964. Como sempre reservamos o final do episódio para tratar dos Spoilers.

PODCAST: Episódio #152 – Cinzas no Paraíso

Temos crossover no PFC! Alexandre e Fred recebem os integrantes do Podcast “Cinefilia & Companhia”, Hugo Harris e Juliana Varella, para um bate papo sobre o segundo filme do americano Terrence Malick, o belíssimo “Cinzas no Paraíso” (Days of Heaven, 1978). O filme foi fotografado por dois excelentes diretores de fotografia do período e o resultado é uma festa para os olhos, conduzida pela narrativa muitas vezes fragmentada do roteiro original de Malick. Ao mesmo tempo que sua história se relaciona com o clássico filme de época americano, a linguagem de Malick dialoga mais com as práticas da Nova Hollywood, o que torna este filme diferente de muitos outros de seu período.

PODCAST: Episódio #151 – Os Filmes de Orson Welles – Parte 1

Alexandre e Fred recebem o crítico Rafael Amaral (Blog “Palavras de Cinema”) para dar início a mais um filmografia no Podcast Filmes Clássicos.  Estava mais que na hora de abordarmos um dos diretores mais influentes de todos os tempos. Inovador, contestador, ousado, gênio: o americano Orson Welles inicia sua carreira em Hollywood com controle total sobre a produção de Cidadão Kane, mas o que se segue é uma recorrente queda de braço entre Welles e os produtores de seus próximos filmes. Para contar esta história e muitas outras, escolhemos os filmes “Soberba” (The Magnificent Ambersons, 1942), “A Dama de Shanghai” (The Lady From Shanghai, 1947), “Macbeth” (Macbeth, 1948) e “Otelo” (The Tragedy of Othello: The Moor of Venice, 1952).