PODCAST: Episódio #173 – Ettore Scola

Gravamos mais um ótimo papo, desta vez para abordar a filmografia de um diretor que pode ficar de fora do radar de parte dos cinéfilos quando pensa no cinema italiano. Alexandre e Fred recebem novamente o cinéfilo e repórter Tony Vendramini (“Podcast Cinema Italiano”) para conversar sobre a vida de Ettore Scola, cineasta napolitano que começa como roteirista, mas atinge seu auge dirigindo filmes na década de 70 e 80. Nesta oportunidade focamos em três grandes longas de Scola: “Ciúme à Italiana” (Dramma della gelosia (tutti i particolari in cronaca), 1970), “Feios, Sujos e Malvados” (Brutti, sporchi e cattivi, 1976) e “Um Dia Muito Especial” (Una giornata particolare, 1977).

PODCAST: Episódio #169 – Sidney Lumet

Alexandre e Fred trazem de volta o professor de jornalismo Fábio Rockenbach para debater três excelentes filmes do americano Sidney Lumet, o excelente cineasta que aprendeu seu ofício no teatro e na televisão. Lumet estreia no cinema já com a obra-prima “Doze Homens e Uma Sentença” (filme já comentado no Episódio 58 deste podcast), mas é na década de 70 que irá fazer três brilhantes longas que comentamos neste áudio: “Serpico” (Serpico, 1973) sobre o caso real de um policial que se recusou a ser corrompido, “Um Dia de Cão” (Dog Day Afternoon, 1975), um de seus filmes mais aclamados no período e “Rede de Intrigas” (Network, 1976), com roteiro do excelente Paddy Chayefsky, que como Lumet, conhecia muito sobre o mundo da televisão.

PODCAST: Episódio #161 – Werner Herzog

Alexandre e Fred trazem de volta o colaborador Willian de Andrade para debater três excelentes filmes do alemão Werner Herzog, um dos expoentes do chamado Novo Cinema Alemão. O cineasta foi um dos melhores de sua geração, a ponto de François Truffaut colocá-lo como o melhor diretor em atividade na época de seus filmes mais influentes. Começamos a conversa com “Aguirre, A Cólera dos Deuses” (Aguirre, der Zorn Gottes, 1972), seguimos com “Nosferatu: O Vampiro da Noite” (Nosferatu: Phantom der Nacht, 1979) e concluímos este episódio com a incrível façanha de “Fitzcarraldo”(Fitzcarraldo, 1982), três clássicos que foram protagonizados por Klaus Kinsi, cuja carreira se confunde com a do próprio Herzog. 

PODCAST: Episódio #156 – Clint Eastwood

Alexandre e Fred trazem o professor da Universidade de Passo Fundo, Fábio Rockenbach, para debater a obra do ator/diretor/produtor Clint Eastwood, o primeiro cineasta ainda na ativa a figurar em um de nossos episódios mini-biográficos.  Pra falar sobre o eterno Dirty Harry, escolhemos três filmes dirigidos por Clint. Vamos conversar sobre “O Estranho Sem Nome” (High Plains Drifter, 1973), “Os Imperdoáveis” (Unforgiven, 1992) e “As Pontes de Madison” (The Bridges of Madison County, 1995)?

PODCAST: Episódio #145 – Jacques Becker

Alexandre e Fred trazem o professor da Universidade de Passo Fundo, Fábio Rockenbach, para debater a obra do diretor francês Jacques Becker. Chamado de “cineasta de transição” entre dois períodos importantes do cinema na França, Becker nos deixou uma carreira de poucos filmes, mas muitos deles relevantes, como os três que trouxemos como alicerce para este episódio: “Amores de Apache” (Casque D’Or, 1952), “Os Amantes de Montparnasse” (Les Amants de Montparnasse, 1959) e “A Um Passo da Liberdade” (Le Trou, 1960). Aprendiz de Jean Renoir e inspiração para Godard e Melville, este grande realizador ainda fez “Grisbi, Ouro Maldito”.

PODCAST: Episódio #140 – David Lynch

Alexandre e Fred trazem dois grandes colaboradores do Podcast para discutir a carreira de um dos mais criativos cineastas americanos dos últimos tempos. Vamos adentrar o mundo bizarro, obscuro e interessantíssimo do artista David Lynch. O debate aborda a obra completa de Lynch, mas foca principalmente em três grandes longas do diretor: “Veludo Azul” (Blue Velvet, 1986), “Uma História Real” (The Straight Story, 1999) e “Cidade dos Sonhos” (Mulholland Dr., 2001), considerado por muitos sua obra-prima.

PODCAST: Episódio #134 – Mikio Naruse

Alexandre e Fred trazem dois convidados especiais para discutir o cineasta japonês Mikio Naruse, um dos quatro gigantes do cinema nipônico. O crítico Rafael Amaral (blog “Palavras de Cinema”) e o curador da Versátil Home Video, Fernando Brito, se juntam ao debate que foca três grandes obras de Naruse: “O Som da Montanha” (Yama no oto, 1954), “Quando a Mulher Sobe a Escada” (Onna ga kaidan wo agaru toki, 1960) e “Nuvens Dispersas” (Midaregumo, 1967), último filme do japonês.

PODCAST: Episódio #130 – Roberto Rossellini

Em meio à crise da COVID-19, Alexandre e Fred fazem uma viagem fílmica à Itália, onde junto com o crítico Rafael Amaral (blog “Palavras de Cinema”) debatem a chamada trilogia da guerra, do cineasta Roberto Rossellini:   “Roma, Cidade Aberta” (Roma, Città Aperta, 1945), tido como o filme seminal do “Neo Realismo” no cinema, “Paisà” (1946) longa episódico que Rossellini fez logo em seguida e “Alemanha Ano Zero” (Germania anno zero, 1948), talvez uma de suas produções mais sombrias.

PODCAST: Episódio #127 – Os Filmes de Federico Fellini – Parte Final

Alexandre, Fred e o crítico Rafael Amaral (Blog “Palavras de Cinema”) se reúnem mais uma vez para fechar a filmografia de Federico Fellini, o grande diretor italiano que este ano completaria 100 anos de vida se estivesse vivo.  O episódio traz todas os filmes da segunda fase de Fellini e começamos a jornada dando destaque a “Julieta dos Espíritos” (Giulietta degli spiriti , 1965) tido por muitos como uma versão feminina de “Oito e Meio”. O áudio continua com um de seus filmes de maior sucesso de público e crítica, “Amarcord” (1973) e depois seguimos com “E La Nave Va” (1983), provavelmente seu último grande filme. 

PODCAST: Episódio #125 – Os Filmes de Federico Fellini – Parte 1

Alexandre, Fred e o crítico Rafael Amaral começam neste episódio a primeira parte da homenagem do PFC ao centenário de Federico Fellini, diretor dos mais influentes do cinema mundial, daqueles que virou adjetivo. Esta primeira parte de dois episódios chega para você neste dia 20 de janeiro, data em que Fellini completaria 100 anos se estivesse vivo, e neste áudio conversamos sobre a obra e vida do diretor, desde seu primeiro filme, passando com destaque por “A Estrada da Vida” (La Strada, 1954), “Noites de Cabíria” (Le notti di Cabiria, 1957) e fechando com “A Doce Vida” (La Dolce Vita, 1960).